MENU

XBox 720 pode ter gráficos tão bons quanto os...

Após boatos, “GoldenEye 007″ em alta definição é confirmado...

19/07/2011 Views: 2020 Curiosidades, PC, Playstation, Xbox

5 Motivos para Skyrim sugar sua vida

Skyrim é como o John Romero dos RPGs: ele vai fazer você sua cabeça. Apesar do calendário de lançamentos de final de ano de 2011 estar cheio de títulos AAA como qualquer temporada de férias anteriores – como Batman: Arkham City, Uncharted 3, as torres gêmeas de Modern Warfare 3 e Battlefield 3 prontos para pegar o seu tempo livre e esmagá-los – Skyrim tem tamanho e competência para banir os outros grandes nomes em sua lista de compras para um estado de animação suspensa até o ano novo. Pode ser que seja em Janeiro, antes de que você pegue qualquer outro jogo da prateleira, você vai estar muito ocupado matando dragões no último épico da Bethesda.

Nós nos sentamos com o Produtor Líder de Skyrim, Craig Lafferty, que detalhou cinco razões pelas quais The Elder Scrolls V vai fazer você esquecer o conceito de ar fresco.

1. A história é sua para ditar

A natureza aberta da série Elder Scrolls tem sido uma espécie de faca de dois gumes. Enquanto a falta de apoio e objetivos claros na história em Morrowind – ligeiramente menor em Oblivion – trouxe um senso de liberação para alguns, acabou trazendo intimidação para outros, que lutaram por um senso de propósito sem marcadores óbvios arrastando-os através da narrativa. É algo que certamente a Bethesda tem conhecimento, mas o desenvolvedores estão apenas fazendo alguns pequenos ajustes à sua fórmula de mundo aberto.

“Eu não sei se nós estamos preocupados com isso”, diz o produtor líder Craig Lafferty. “Nós certamente gostamos que as pessoas sejam capazes de terminar os jogos. Nós melhoramos o jeito de guiar o jogador – quase como a cenoura na vara – orientando-os para terminar a quest principal. Mas na realidade nós fazemos esses jogos com mundo aberto enormes para que você possa ir para onde quiser, ser o que quiser, jogar o que você quer, então se você nunca terminar [a missão principal] você ainda terá tendo um grande tempo então isso é bom também. Ouvimos histórias de jogadores que jogam 200-300 hora dos nossos jogos anteriores, sem nunca terminar a narrativa principal.”

Uma dessas “cenouras na vara” é o novo feitiço Clairvoyance que desenha um caminho ao longo do chão para seu próximo objetivo. Outro recurso interessante do jogo é o sistema dinâmico de classe, o que essencialmente significa que seu personagem vai subir de nível e evoluir de forma orgânica dependendo de suas ações – assim você pode apenas perseguir as coisas que você está interessado e seu personagem irá automaticamente modelar ao seu estilo, eliminando a necessidade de se prender gastando pontos de status.

2. Há uma quantidade insana de coisas para ver e fazer

Um dos melhores aspectos de Oblivion foi sua abundância de momentos refrescantes – porque havia muito para ver e fazer fora do caminho principal, houve sempre muita coisa para falar com os amigos que estavam jogando o mesmo jogo ao mesmo tempo, mas de uma forma totalmente diferente. Como daquela vez que você se tornou um vampiro, ou quando seu amigo se deparou com um corpo flutuando em um rio com uma nota de suicídio dobrada no bolso. Então houve essa quest – ‘Um Encontro Com a Morte “- que transporta você em uma pintura em busca de um artista desaparecido. Foi uma aquarela de momentos refrescantes!

“Há definitivamente muito mais coisas desse tipo”, diz Lafferty. “Nós não queremos dar nada específico para não estragar, mas nós temos um grande mundo aberto para ir em qualquer lugar e fazer o que quiser, em cima da missão principal que é cerca de 30 horas de duração. Temos ainda as guildas – então a guilda dos magos, a guilda dos ladrões, a guilda dos lutadores, estão de volta. A guilda do mago tem lugar na Faculdade de Winterhold. Então nós temos 150 dungeons feitas a mão, e provavelmente mais de 500 atividades individuais para fazer no mundo, então há um monte de coisas assim para fazer, assim como o foco principal da história.”

3. Os dragões são intermináveis

Os dragões são os grandes chefes de Skyrim e as batalhas com eles parecem ser intensas – pelo menos se o encontro climático na demo da E3 servir para julgar. Você pode usar magia para invocar tempestades elétricas para combatê-los no ar, e quando você infligir dano suficiente neles eles iram bater no chão com toda o peso de um gigantesco jato místico – criando buracos profundos na terra e agitando a poeira e o solo até seus corpos descomunais estarem paralisados. Então uma vez que eles estão mortos, você consome suas almas e herda seus poderes. Mas os dragões irão sempre voltar.

“Eles não são limitados, eles são como qualquer outra criatura no jogo, eles não são programados – você pode cruzar com eles enquanto joga através do mundo, mas eles não vão embora”, explica Lafferty. “Não é como se você pudesse derrotar todos os dragões e eles deixaram de existir – eles sempre estarão lá no jogo. E eles também são um foco central para a história – é o primeiro Elder Scrolls com dragões – e você é um dragon born, você pode falar a língua dos dragões. Então é só tentar descobrir por que os dragões estão de volta, por que eles são especiais e como é que eles se manifestam no mundo?”

4. Dragões não serão necessariamente todos seus inimigos

São todos os dragões na terra mítica de Skyrim maus, ou você vai ser capaz de domá-los para lutar ao seu lado? A Bethesda esta mantendo a boca fechada sobre o assunto por enquanto.

“Nós não estamos realmente entrando em detalhes sobre isso”, diz Lafferty. “Mas não são todos que querem matá-lo, vamos apenas colocar dessa maneira.”

Assim estamos dispostos a apostar que haverá amigos respiradores de fogo para invocar usando um de seus “gritos de dragão” – chamando um dragão amigável para lutar contra um dragão inimigo seria a definição de combate fogo com fogo. Além disso as montanhas do jogo parecem que tomariam uma eternidade para subir a pé ou a cavalo, mas na traseira de um dragão seria apenas um curto vôo. É improvável de acontecer, mas montarias de dragão como DLC iria fazer-nos abrir nossas carteiras virtuais pós-lançamento. O que acha disso, Bethesda?

5. O mundo de Skyrim com certeza é melhor que a sua entediante vida real

O mapa de Skyrim é dito ser aproximadamente do mesmo tamanho de Cyrodiil em Oblivion, mas graças a uma revisão completa do motor do jogo desde então Skyrim é infinitamente mais detalhado e exuberante na aparência, com uma Draw Distance incrível que não se limita a estender em direção ao horizonte, mas para cima, para os picos das montanhas imponentes que avultam sobre a paisagem.

“Nós fizemos Oblivion e depois Fallout 3 na geração atual de consoles, assim que nós aprendemos muito mais sobre como trazer um monte de coisas para os sistemas atuais”, diz Lafferty. “Portanto, agora temos um novo sistema de interface, um novo sistema de animação, uma nova renderização, a história radiante e também o próprio mundo do jogo, então todas essas coisas combinam muito para um resultado positivo. O mundo de Skyrim realmente parece como um lugar sólido que você pode se perder dentro.”

O quanto há para fazer e ver em Skyrim? Com 280 perks para desbloquear, cinco grandes cidades para explorar, mais de 300 livros para encontrar, 150 dungeons únicas para saquear e cerca de 500 atividades individuais para disfrutar, realmente parece que o céu é o limite.

Fonte: http://www.gamevicio.com.br/