MENU

Público brasileiro testa o Nintendo 3DS

Resident Evil: The Mercenaries 3D recebe box art e...

14/03/2011 Views: 605 Nintendo DS

Pirataria pode inutilizar Nintendo 3DS, diz loja

De acordo com uma nota divulgada pelo site da loja de varejo japonesa Enterking, os usuários que utilizarem dispositivos ilegais para rodar jogos piratas podem ter o seu 3DS inutilizado após uma eventual atualização de firmware do sistema.

“Em caso de utilização de equipamentos ilegais ou não aprovados pela Nintendo e personalização de sistema não autorizada, há a possibilidade de que o 3DS seja inutilizado após atualização de sistema”, alerta o trecho extraído diretamente dos termos de utilização do portátil.

Resta saber se o aviso é apenas um blefe da Nintendo a fim de coibir a utilização de acessórios ilegais, como os populares Cartões de memória flash do DS, ou se realmente a fabricante optará por “quebrar” todos os aparelhos dos usuários que optarem jogar com softwares ilegais.

Recentemente, a Nintendo afirmou que o portátil tem uma armadilha escondida: a utilização desses dispositivos ilegais fica registrada na memória, e não pode ser apagada. Assim, quem usar tais dispositivos perde a garantia e estima-se que a Nintendo pode identificar, se o videogame for conectado à internet, quais aparelhos têm rastros de games piratas.

De qualquer forma, apesar de o 3DS se mostrar propenso a esses dispositivos, nenhuma utilização efetiva de jogos piratas para o novo sistema foi comprovada, exceto os jogos compatíveis com o antigo portátil, o DS. Até o momento, a companhia não anunciou nenhuma medida oficial contra os pirateiros.

Está chegando a hora

Nos Estados Unidos, o Nintendo 3DS chega em 27 de março, ao preço de US$ 249,99 e nas cores Aqua Blue (azul) e Cosmo Black (preto). O pacote acompanha um cartão de memória de 2 GB, seis cartões de realidade aumentada e uma base que serve para recarregar o aparelho.

O videogame terá quatro idiomas nativos: inglês, espanhol, francês e português do Brasil. A intenção da Nintendo é lançar o portátil no país ao mesmo tempo que nos Estados Unidos, mas, por ora, nada está definido. Nem o preço.

Além de games em cartão, o jogador também poderá obter jogos por download, através de uma loja especial chamada Nintendo E-Shop, acessada pelo próprio aparelho. Também estarão disponíveis clássicos para Game Boy e Game Boy Color através do serviço Virtual Console, e a Nintendo pretende ter mais de 30 títulos disponíveis para o portátil até o fim do primeiro semestre.

Os Friend Codes continuam existindo, mas agora é preciso ter um único código por aparelho, e não uma sequência numérica por jogo, como acontecia no Nintendo DS e no Wii.

Fonte: http://jogos.uol.com.br/