MENU

Age of Mythology DEMO

Novo mapa de Battlefield Bad Company 2: Vietnam é...

03/01/2011 Views: 932 Curiosidades, PC

Teste Razer Naga, mouse desenvolvido para jogadores de MMO

Games online para múltiplos jogadores já conquistaram seu espaço entre os brasileiros, portanto era questão de tempo para que começasse a aparecer por aqui algo que já é popular entre os “gringos”: acessórios voltados para esse público.

Um destes é o Razer Naga, mouse distribuído no país pela Razer Brasil e que tem como objetivo garantir a comodidade daqueles que querem mover os personagens e acionar suas habilidades com apenas uma mão. Mas será que isso realmente funciona na prática?

O poder em uma mão

Uma das principais características do Razer Naga é o seu design, que traz 12 botões numéricos na lateral onde os destros apoiam o dedo polegar, dois na parte superior, dois do lado esquerdo e a barra de rolagem. Cada um deles apresenta opção de personalização, dando ao jogador a oportunidade de configurá-los da maneira que achar conveniente.

O Razer Naga também conta com um sistema que permite gravar sequências de botões em apenas um deles – o que é excelente para quem joga com classes de suporte em um RPG, pois é possível deixar as magias dos números 1, 2 e 3 no atalho 12, por exemplo. Para os que possuem um cálculo mental de “delay pós-skill” (tempo de espera entre o uso das habilidades), é possível simulá-lo para que tudo seja seguido com a mesma sincronia no game.

Ainda no que diz respeito à personalização, o software de instalação do mouse permite associar cada sequência de atalhos salva a um game, fazendo com que ela seja obedecida em cada executável. Outra opção que vale ser mencionada é a que altera a velocidade de movimentação do mouse, que se torna mais ou menos sensível mesmo em jogos que não apresentem essa configuração.

Na prática

Após criar algumas configurações, testamos o mouse em um jogo de RPG em que a movimentação é feita por cliques e as habilidades acionadas por teclas e em um título de tiro em primeira pessoa.

No caso do RPG, a primeira constatação é de que é preciso pelo menos uns três dias para se acostumar à novidade. Quando se controla uma classe baseada em ataque físico é fácil, mas o pesadelo começa ao passar para uma “profissão” que depende de diversas magias. O número de botões com encantamentos gera confusão no início, e não raro você estará com a mão sobre o teclado para controlar as coisas quando algo der errado (a menos que seja valente o suficiente para colocar a experiência do seu personagem em risco).

Já no jogo de tiro o melhor a fazer é criar atalhos para as armas, bem como para as teclas de pular e agachar, por exemplo. É possível colocar a movimentação completa no mouse dependendo do game, mas isso exige muito mais domínio da parte do jogador.

Estranhamente, durante os testes as 12 teclas laterais simplesmente pararam de funcionar algumas vezes após carregar o sistema, e a atualização recente do acessório entrou em conflito com o Windows XP. A saída encontrada para contornar esse problema foi trocar de porta USB sempre que ele ocorre.

No fim, o Razer Naga apresenta uma proposta interessante e responde positivamente ao questionamento feito no início da resenha, mas, além do problema supracitado, o preço não é muito convidativo (o valor estimado é de R$ 399) e pode fazer com que muitos continuem aproveitando seus jogos da forma comum: uma mão no teclado, outra no mouse.

Divulgação

Mouse feito para jogadores de MMO tem 12 teclas de atalho