MENU

Modificação deixa efeitos de Crysis Impressionantes

Lançamentos: “Gran Turismo 5″ finalmente chega e Michael Jackson...

22/11/2010 Views: 805 Playstation, Xbox

Naruto Shippuden Ultimate Ninja Storm 2

Aquele conceito adotado por fansubbers – gente que legenda animês, filmes, séries de forma amadora – no fim dos anos 90 “De fã para fã”, pode ser aplicada de forma literal em Naruto Shippuden Ultimate Ninja Storm 2. O pessoal da Cyberconnect2 (produtora do jogo) é tão fã da série dos ninjas do País do Fogo, que não ligam de aparecer ostentando suas coleções de mangás, livros ilustrados e até suas preferências pessoais em vídeos de making of espalhados pela internet. E o resultado final do jogo não poderia ser diferente: Fantástico.

Ventania de qualidade
O que mais chama a atenção em UNS2, são seus gráficos. Dificilmente você encontrará alguma empresa que saiba usar melhor a tecnologia Cel Shading do que a CC2. As animações rodam constantemente a 60 frames por segundo, as sequências são sempre melhores que as vistas na série animada oficial e os quick time events são bastante variados, fugindo um pouco daquele martelar de botões constantes.

Via de regra, eles são sempre condizentes com a realidade. Se o Naruto vai soltar um Rasen Shuriken, os comandos que aparecem na tela são os mesmos que você usaria num contra real: Duas vezes o triângulo e depois ataque. A ação é cadenciada de forma bastante fiel aos comandos que pipocam na tela, sem aleatoriedades.

Em determinados momentos da história, como uma ferramenta para aumentar a dramaticidade da sequência, você realmente consegue ‘jogar uma cutscene’. É como acontecia no primeiro grande embate em God of War 2, que você é obrigado a enfrentar uma batalha perdida contra Zeus, pela simples necessidade que os produtores tiveram de colocá-lo no lugar de Kratos, acabando com o seu sossego de simples espectador. No clássico Naruto vs Sasuke, certas passagens da luta acontecem no passado, e a troca de imagens é tão fluida e ininterrupta que você sequer percebe alguma coisa.

Igual, mas diferente

A trama segue os mesmos passos de sua versão animada para a televisão. Para os japoneses, nenhuma novidade. Os americanos estão assistindo o segundo arco de histórias da fase Shippuden e nós, brasileiros, sequer terminamos a primeira fase ainda. Para aqueles que não assistiram os capítulos mais recentes via atividades filantrópicas de cunho ilegal, são quase 15 horas de aventuras inéditas.

A ação não segue exatamente os pormenores oficiais da história, mas certos momentos são mais agradáveis de se ver pelas mãos talentosas da equipe de produção do jogo. Para aqueles que não tem a menor noção do que trata esse novo jogo (duvido que exista alguém assim), a primeira cena vai lhe deixar de queixo caído.

No foco principal, a organização ninja criminosa Akatsuki investe pesadamente na captura dos Jinchuurikis, hospedeiros de seres poderosíssimos chamados Bijuus. São nove ao todo, catalogados pela quantidade de caudas que possuem. Gaara e Naruto são hospedeiros, e por isso mesmo, correm risco de morte – retirar o bicho é sinônimo de falecimento do portador.

As lutas principais acontecem de forma cinematográfica, misturando combates normais que podem ser replicados no modo Free Battle, com perseguições aéreas, mini games de tiro e aqueles quick time events insanos que causavam comoção nos jogos de PS2. Aqui, eles funcionam como uma parte intrínseca da fase, não são meros especiais de nível 3, e não podem ser executados em lutas normais. E me desculpem o verbo conjugado errado, eles ainda CAUSAM comoção. São cenas tão intensas que fazem você pensar “Por quê diabos a Cyberconnect2 não faz logo a animação oficial também?!”.

O ‘quase um RPG’ do modo principal (Ultimate Mode) é guiada de forma que você não se perca em sidequests ou mesmo no cenário. Não existem mais inimigos aleatórios e nem pergaminhos para serem colecionados de forma exaustiva – excetuando os fragmentos de memória pós-lutas principais. Aos poucos, a vastidão exuberante do mundo de Naruto vai tornando-se cansativa, de tantas idas e vindas do personagem.

Ninjas! Entrem na arena

Com 44 personagens à sua disposição – lógico que precisam ser abertos com muito sacrifício e SP Points – a pancadaria rola offline e online. Nada muito diferente do já visto no primeiro UNS. Já para aqueles que migraram direto do PSP ou do PS2, preparem-se para estranhar um pouco.

Para começar, esqueçam o apertar frenético de botões. Em UNS2, os Ougis (ou especiais) funcionam basicamente como os ataques de nível 1 da série de PS2. A diferença, é que quando acionado com dois ‘triângulos’, ele realiza uma animação maior e causa mais dano. Não há como cancelar o especial se ele o acertar.

A movimentação com o pulo também ganhou variações. Apertando rapidamente o ‘X’ duas vezes, você realiza o dash tradicional. Pressionando uma vez, e mantendo segurado o botão uma segunda vez, você inicia o ‘Ninja Movements’, bastante úteis para explorar território e sondar seu adversário em busca de brechas. Se acionado após ativar o chakra, uma corrida teleguiada e em alta velocidade pega o seu inimigo de surpresa.

Os combos funcionam da mesma forma de antes, com um único botão e variações com o direcional. É possível acionar em combos os especiais de nível 1, mas facilitam a fuga com kawarimis (defesa acionada no momento exato que o ataque lhe atinge). Na real, uma das falhas do jogo é exatamente essa, a de não aprofundar mais o sistema de combate. É possível criar armadilhas babacas e causar um dano absurdo sem muito esforço.

Na versão online, o jogo roda praticamente sem lag. Não há muita demora na aquisição de um oponente e o sistema de ranqueamento com Battle Points lembra bastante o de SSFIV. Você pode acumular esses pontos via Ranked Match ou disputar amistosos no modo Player Match.

Naruto Ultimate Ninja Storm 2 é jogo para mais de 30 horas. E isso offline, se aprofundando na trama, destravando personagens, cumprindo missões e colecionando objetos – que, pela primeira vez, mescla-se de uma forma menos enjoativa na história que nos jogos anteriores. Graficamente é um dos jogos mais bonitos do ano, mas ainda peca em aprofundamento de combates e opções além do modo principal. É a deixa oficial para você começar a gostar de Naruto. Ou pelo menos, odiá-lo menos.

Fonte: http://www.gametv.com.br/

Comments

  1. This blog is very cool. How can I make one like this ?